Oscar Malvessi - Consultoria em Valor
Home Imprimir Contato
Criação de Valor-VEC - Artigos: conceitos, usos e exemplos


Jornal Valor Econômico - Novo conceito de lucro em substituição ao "velho" EBITDA. Criação de valor deve ser meta mínima, diz instituto.
08/02/2017
Entrevista sobre o lançamento do Caderno 18 do IBGC "Monitoramento Desempenho Empresarial". Trata-se de um guia prático e manual de referência de governança para o uso da metodologia de geração de valor aos conselheiros, sócios e executivos. Apresenta informações de 2010/2015 das 146 empresas que compõem IGC do Bovespa (B3) sobre o comportamento do ROIC e geração de valor.
Revista RI - O Dilema da Liquidez de Caixa
01/02/2016
Nesse artigo, eu e o professor Samy apresentamos evidências do comportamento histórico 2010-2014 das 61 maiores empresas de governança listadas no IBOVESPA.
Revista Reficont - Remuneração Executiva e o impacto na geração de valor
01/01/2016
O artigo examina a relação existente entre as práticas de remuneração executiva vigentes em empresas de capital aberto no Brasil e a Geração de Valor.
Revista VOCÊ S/A - As boas pedidas de 2016 - Aplicações e riscos envolvidos
01/12/2015
Análise das alternativas oferecidas pelo mercado para aplicações financeiras de curto prazo e decisões de investimentos. A necessidade da avaliação do risco e retorno implícito em qualquer uma das operações e os cuidados com o controle do fluxo de caixa, instrumento pessoal de análise financeira das entradas e dos compromissos.
Revista RI - Remuneração de Executivos e Geração de Valor
15/06/2015
O artigo apresenta a análise empírica das 62 empresas com padrões de governança corporativa listadas no IGC do Novo Mercado-Bovespa. Visa compreender as práticas de remuneração dos executivos, avaliar sua adequação ao processo de geração de valor-VEC®, aos princípios de boa governança corporativa e sugerir caminhos para alinhar essas práticas aos interesses dos acionistas e stakeholders.
Revista EXAME - Só o Bônus Cresceu - 1º abril 2015
01/04/2015
Reportagem nas páginas 88 e 89 - Gestão-Remuneração. Apresenta informações sobre o primeiro estudo do comportamento da Remuneração Executiva e a geração de valor no período de 2010 a 2013 nas empresas de governança corporativa listadas no Bovespa.
Remuneração executiva e geração de valor - Março 2015
27/03/2015
Estudo sobre práticas de remuneração e desempenho em empresas de governança corporativa listadas na Bovespa. Pesquisou-se as informações no Formulário de Referência e das D.F. do período de 2010 a 2013. A análise financeira considerou a metodologia de Geração de Valor ao Acionista VEC/EVA ou VBM - Value Based Management.
Vídeo: saiba a diferença entre valor e lucro para o acionista
25/09/2013
http://videos.bol.uol.com.br/video/saiba-a-diferenca-entre-valor-e-lucro-para-o-acionista-04020D19366AE0B14326
Vídeo: entenda o que é governança
23/09/2013
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/09/1346075-video-entenda-o-que-e-governanca-corporativa.shtml
Revista IBEF - Confortavelmente acomodados no engano - O EBITDA versus o Fluxo Caixa Operacional
01/05/2012
Estudo analítico demonstrando deficiências relevantes para a gestão de uma empresa que usa informações do EBITDA, quando comparadas com o uso do Fluxo de Caixa Operacional. Refere-se ao estudo detalhado de 13 empresas de capital aberto publicadas pelo Jornal Valor em 14-09-2011. Visando tornar a análise comparativa e ampliada, foi adicionado outros 6 trimestres, transformando a análise mais longa, agora composta por 8 trimestres. O objetivo do artigo foi comparar o nível de informação apresentadas aos gestores das Cias., quando se utilizada como métrica de gestão o indicador EBITDA versus a aplicação do conceito do Fluxo de Caixa Operacional. As tabelas demonstram informações comparativas sobre o comportamento dos indicadores em dois períodos, o de curto prazo com 2 trimestres e o segundo com 8 trimestres, período considerado mais de longo prazo. Conclui-se que o Fluxo de Caixa Operacional apresenta informações gerenciais mais consistes e superiores aos gestores de uma Cia, quando comparado as informações simples e incompletas dadas pelo EBITDA. Também não se recomenda o uso do EBITDA como métrica de remuneração variável aos gestores, considerando-se suas ineficiências conceituais operacionais e práticas.
Jornal Valor Econômico - EBITDA: Fluxo operacional de caixa pode ser pequena fração do EBITDA. Estudo acadêmico mostra a diferença de R$ 19,5 bi entre os dois indicadores em 24 meses
17/04/2012
Refere-se ao resumo do artigo publicado na Revista IBEF-SP em Maio 2012 - Confortavelmente acomodados no engano. Nessa reportagem o jornalista Fernando Torres faz um relato do artigo onde apresenta um resumo das conclusões do estudo. Demonstra as informações das 13 empresas, destacando a relevante diferença de informações financeiras entre os indicadores do EBITDA com o Fluxo de Caixa Operacional. Estruturou-se a análise através do comportamento percentual das vendas com o EBITDA e contrastadas com as informações geradas pelo cálculo do Fluxo de Caixa Operacional. Na amostra das empresas identificaram-se diferenças de valor expressivas entre o EBITDA quando comparados com os valores do Fluxo de Caixa Operacional, ou seja, os valores do Fluxo de Caixa Operacional é 72% menor que o EBITDA. Também se apresenta os conceitos, as vantagens e desvantagens do uso generalizado do EBITDA pelos gestores.
Criação de Valor - O uso do EVA/VEC
21/06/2011
Conhecendo um pouco o EVA/VEC - Criação de Valor ao Acionista. A metodologia é um importante instrumento para decisão gerencial e estratégico. Busca a efetiva mensuração econômico-financeira, avaliação do impacto da remuneração variável dos gestores e colaboradores com foco na meritocracia de valor e se as decisões estão gerando valor na empresa e não somente Lucro ou EBITDA.
Revista IBEF - O conceito de criação de valor
01/01/2011
Essa reportagem da Revista IBEFNews-SP de janeiro de 2011, refere-se a palestra apresentada aos membros da área de finanças corporativas do IBEF com tema Criação de Valor ao Acionista VEC®. Abordou-se a estrutura metodológica e as vantagens da aplicação da cultura de Valor na gestão em comparação com os instrumentos tradicionais de análise, com os exemplos do caso Sadia e do caso Ambev.
Revista IBEF - Como a estratégia equivocada destrói a riqueza - O caso Sadia
01/08/2010
Esse artigo apresenta a íntegra da análise financeira e estratégica que foi publicado de maneira resumida na Revista Exame de Maio de 2009, "Por que a Sadia foi engolida pela Perdigão - e não o contrário". São detalhados os aspectos técnicos da análise com foco na Criação de Valor ao Acionista VEC®/EVA, compreendendo o histórico de 12 anos, de 1996 a 2007. Procurando avaliar o comportamento e evidências, a análise foi decomposta em informações de 4 períodos distintos, ou seja, de 1996 a 2000, de 2000 a 2007, de 2003 a 2003 e de 2003 a 2005. Introduziu-se a análise dos ativos operacionais comparando-os com os ativos financeiros e constatou-se que a estrutura de capital adotada pela Sadia e o nível de alavancagem financeira esteve acima da média das empresas. Enfoque especial é dado para o comportamento dos resultados operacionais do negócio versus o impacto das receitas financeiras oriundos dos valores em aplicações financeiras nos resultados contábeis. Avaliou-se com os resultados econômicos das empresas como também comparou-se a Sadia com a amostra de 35 empresas oriundas da base da Tese. Conclui-se que somente a análise do comportamento histórico estruturado, com a devida consistência estratégica em finanças corporativas, que a nosso ver, representa a aplicação da metodologia Criação de Valor VEC, foi possível desvendar a relevância das decisões e avaliar o impacto que ocasionaram a importante destruição da riqueza aos acionistas da Sadia.
Revista EXAME - O caso Sadia: Por que a Sadia foi engolida pela Perdigão - e não o contrário. Onde a Sadia perdeu o jogo
03/06/2009
"Onde a Sadia perdeu o jogo. Ou por que a Perdigão comprou a Sadia - e não o contrário". De forma resumida esse artigo apresenta o caso da Sadia S.A., as evidências técnicas e o porquê da relevante Destruição de Riqueza ao Acionista. Apresenta os dados sintéticos de 12 anos de análise financeira e estratégica, iniciados no ano de 1996 até 2008. Na análise aplicou-se a metodologia com foco em Criação de Valor ao Acionista VEC®/EVA" e adicionou-se a comparação do comportamento de seus resultados operacionais versus os financeiros. Este artigo foi publicado na íntegra na Revista IBEF-SP, n° 146 em agosto de 2010, com o título Como a estratégia equivocada destrói a riqueza do Acionista. Através do uso de indicadores comparativos da metodologia de Criação de Valor VEC, ficou evidenciado o comportamento equivocado adotado pelos gestores na estratégia e conduta da Sadia.
Revista Administradores - O preço do dinheiro
01/06/2009
Entrevista apresentando conceitos sobre o preço do dinheiro e o uso da metodologia de Criação de Valor-VEC versus os conceitos convencionais de análise finaceira na obtenção de lucro
Jornal Valor Econômico, EU & Investimento - Lucro na peneira
21/12/2007
A reportagem relata a pequena evolução em 7 anos no comportamento das empresas quando se aplica a metodologia de Criação de Valor ao Acionista VEC. Nesta 5ª atualização da base de dados da Tese de 2001, demonstrou-se qual foi o comportamento quanto ao retorno econômico histórico, no período de 2000-2006, onde 33% das empresas Criaram Valor ao Acionista e as demais destruíram a riqueza. A análise se apóia nos conceitos da metodologia de Criação de Valor ao Acionista VEC®/EVA", apresentando as empresas que remuneraram os acionistas acima das expectativas ou Criaram Valor ao Acionista e aquelas que não remuneraram o custo de capital - WACC, destruindo a riqueza. Em dezembro de 2004 havia sido publicada com esse mesmo conceito a análise comparativa entre os períodos de 1995-2000 com o período de 2000-2003, das 45 empresas constantes da mesma base de dados. No período de 1995-2000 somente 5 empresas Criaram Valor ao Acionista e, no período de 2000-2003, apenas 6 empresas. As demais não remuneraram o custo de capital, ou seja, destruíram a riqueza.
Revista IBEF - É o EBITDA um bom indicador de remuneração?
01/12/2006
É o comportamento de 12 anos do EBITDA, com 41 empresas. É o segundo artigo e comparou-se 3 indicadores que são: os valores do Fluxo Caixa Operacionais, do Fluxo de Caixa Livre (F.C.F.) e dos Dividendos Pagos. Conclui-se que o EBITDA não é necessariamente uma boa ferramenta de gestão e não dá a dimensão efetiva do fluxo de caixa gerado e não é um bom indicador para remunerar e sugerir bônus.
Revista RI - Celeuma Contábil - EBITDA e as evidências. Qual o real valor dessa métrica?
01/02/2006
Esse é o primeiro artigo sobre o tema e a Revista RI destaca outros 3. Apresenta o comportamento de 1995-2000 e de 2000-2003. Embora o EBITDA possa ser utilizado como um múltiplo de valor para transações, conclui-se que o EBITDA não é necessariamente uma boa ferramenta se o objetivo é analisar a capacidade de gerar caixa, uma vez que ele não representa a dimensão efetiva do fluxo de caixa gerado.
Jornal Valor Econômico - Criação de Valor
17/12/2004
Reportagem sobre a terceira atualização da Tese de Doutorado de 2001. Estudo mostra que apenas seis empresas abertas, de um total de 45, apresentam lucro operacional que compensa o custo de capital, nos períodos de 1995-2000 e de 2000-2003. Apesar do bom desempenho das ações em bolsa e dos lucros crescentes, são poucas as empresas que realmente criam valor ao acionista.
Jornal Valor Econômico - Baixa geração de valor
19/04/2002
Reportagem sobre a segunda atualização dos dados da Tese de Doutorado de 2001. Somente 10% das companhias abertas deram retorno ao acionista. Diferente do conceito tradicional de análise, a metodologia de Criação de Valor ao Acionista VEC®/EVA", leva em conta o custo do capital aplicado pelo acionista.
Revista RI - Criando valor para o acionista
01/02/2002
A entrevista apresenta as conclusões da Tese de Doutorado de 2001 na FGV-EAESP que estudou o desempenho das maiores empresas brasileiras de capital aberto no período 1993-1998, com o uso da Criação de Valor ao Acionista-VEC®. Comparou-se o uso dos instrumentos tradicionais de análise de empresas com a aplicação da metodologia de Criação de Valor ao Acionista-VEC®/EVA" e o MVA Market Value Added.
Revista ABAMEC-SP - Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas
01/03/2000
É o primeiro estudo com evidências empíricas comparando a Brahma com a Antárctica usando a metodologia de Criação de Valor ao Acionista-VEC®/EVA®. Demonstra que a Brahma Criava Valor ao Acionista enquanto a Antárctica Destruía a Riqueza do Acionista, os pontos fortes e as fragilidades destas empresas, fundamentado com a metodologia do Lucro Econômico, também chamado de Criação de Valor-VEC®/EVA®.
Artigos e Entrevistas

Jornal Valor Econômico - Ajuste Bilionário - 7ª Atualização da Tese

Após a farra, a ressaca - AB InBev

Revista RI - A inflação que corrói e engana - 10ª Atualização da Tese

Remuneração executiva e geração de Valor - Março 2015 - 8ª Atualização da Tese


© 2017 - Oscar Malvessi - Consultoria em Valor

Av. Paulista, 807, 23º andar, Conj. 2309
01311-100- São Paulo - SP - Brasil